O alinhamento é importante para a correção daquele problema de direção que ocorre quando o carro não consegue andar em linha reta, puxando sempre para um dos lados.

Já o balanceamento é feito no conjunto de rodas e pneus, tendo como objetivo evitar as trepidações do veículo em velocidades superiores a 60 km/h, reduzir o desgaste dos pneus, além de garantir a capacidade de frenagem e diminuição dos distúrbios de direção.

Realizar o alinhamento e o balanceamento do veículo é essencial para que os pneus e os componentes da suspensão tenham maior vida útil.

A principal função da bateria é fornecer energia elétrica ao motor de arranque quando o motor do veículo é acionado além de proporcionar energia para iluminação externa e interna e manter os sistemas elétricos eletrônicos ativos quando o veículo estiver desligado.

Alguns cuidados devem ser tomados para que sua vida útil se estenda tais como: Evitar deixar as luzes do interior do veículo e faróis acesos ou o rádio em funcionando com o motor desligado, pois pode descarregar a bateria; Mantenha os polos limpos.

Ao instalar equipamentos que necessitem de muita energia, como rádio mais potente ou ar condicionado, redimensione o sistema elétrico de maneira que ele suporte o aumento de energia. É recomendado a cada 3 meses revisar sua bateria.

Existem diferentes causas que originam problemas, devido particularmente a um uso inadequado do motorista. Veja algumas dicas que ajudarão a melhorar a utilização e a vida útil da embreagem:

– Utilize o pedal da embreagem no momento da troca de marcha; quando o motorista descansa o pé sobre o pedal, provoca um aquecimento e um desgaste prematuro dos componentes.
– Evite segurar o veículo numa rampa utilizando a embreagem como freio.
– Não inicie bruscamente a marcha, evitando arrancadas bruscas.
– Nunca saia com o veículo em segunda marcha
– Evite reduções bruscas de velocidade, freando ou desacelerando subitamente o motor.

Confira alguns sinais de problemas com a embreagem:

–Patinação, trepidação, dificuldade de engate, pedal duro e barulho são alguns sintomas que podem indicar problemas com o sistema de embreagem.

Vale lembrar que a embreagem não trabalha sozinha. Dessa forma, seu perfeito funcionamento depende dos outros componentes do sistema, como volante do motor, cabo de embreagem, garfo, entre outros.

Se estiver sentido algum problema na embreagem do seu carro, como por exemplo, embreagem dura e ruídos de acionamento, procure uma das lojas Bono Pneus, mais perto de você.

Com o uso constante, sofre desgaste provocado pelos resíduos corrosivos de combustível e óleo e deve ser trocado sempre que apresentar buracos ou rachaduras, para não comprometer o bom desempenho do motor.

Composto por câmaras de expansão, conversores catalíticos e tubos, é o sistema responsável por recolher e eliminar os gases queimados no processo de combustão no motor, bem como pela redução do nível de ruído produzido por seu funcionamento, graças a um silenciador interno. Ele abafa o ruído do escape.

Dentro do silenciador, há tubos perfurados e defletores que desviam o fluxo do gás, reduzindo sua velocidade e a pressão. Isso diminui as vibrações e o ruído.

Ao descer uma ladeira, procure usar a mesma marcha que colocaria se estivesse na subida. Jamais utilize o ponto morto, pois os freios não conseguirão segurar o veículo em uma situação de emergência.

Além disso, o maior esforço dos freios pode levar os discos e pastilhas ao superaquecimento. O carro pode ficar sem freios. Cheque mensalmente o nível do fluido de freio. Quando for completá-lo, tome cuidado para não deixar cair nenhuma partícula de sujeira.

Qualquer resíduo pode comprometer o perfeito funcionamento do sistema. Ao aproximar o carro de cruzamentos e semáforos, tire o pé do acelerador e mantenha a marcha engatada para que o motor diminua a velocidade do carro. Você evita freadas bruscas e preserva discos e pastilhas de freio.

O sistema de ar-condicionado está constantemente úmido, sendo um ambiente ideal para a proliferação de fungos e bactérias.

Carros que não possuem o filtro anti-pólen acabam acumulando em seu sistema resíduos sólidos, como folhas, poeira e até mesmo pequenos insetos. Por isto é extremamente importante fazer a higienização deste sistema e quando possível instalar e/ou substituir o filtro anti-pólen.

A frequência de higienização e troca do filtro vai de acordo com o ambiente em que o veiculo roda (poluição, transito, terra…) e a frequência com que funciona o sistema de ar condicionado. Porém estes prazos não podem ultrapassar em 15.000km para o filtro e 30.000 km para a higienização.

Os bicos de injeção com o passar do tempo começam a perder a capacidade de pulverizar a câmara de combustão, trazendo dificuldades na partida, consumo excessivo de combustível e até o entupimento do bico com falhas de funcionamento de motor.

Sua limpeza é geralmente feita através de um ultrassom que mede a capacidade de vazão ou de pulverização dos bicos em conjunto, havendo um produto apropriado para limpeza.

Uma boa dica é abastecer em postos de confiança e a cada 40.000km fazer uma limpeza de bicos, checar o funcionamento de todos os sensores relacionados à injeção e inclusive verificar se não está na hora de trocar o filtro de combustível, um item muito importante para o perfeito funcionamento da injeção.

Eles fazem o trabalho mais difícil e suportam todo o peso do carro. Ao contrário do que muita gente pensa, merecemuma atenção muito especial.

Alguns cuidados básicos e simples podem fazer seu conjunto ter uma boa durabilidade sem comprometer a segurança.

Use sempre as medidas do manual do proprietário. Tamanhos diferentes daqueles recomendados alteram o comportamento da direção, tornando o carro inseguro. A medida comum na maioria dos pneus do mundo consiste da largura do tamanho da parede do pneu comparado com a largura e o raio.

Por exemplo 175/70R13, onde 175 é a largura do pneu em milímetros; 70 significa que a altura da parede do pneu e 70% da largura, então a altura seria 122.5mm; 13 é o diâmetro do Aro do pneu, neste caso 13 polegadas e R significa que o pneu é radial.

Prefira o desenho da banda de rodagem compatível com seu tipo de carro e uso. Não coloque pneus lameiros em carros que rodam basicamente no asfalto, nem dirija com pneus para asfalto na terra. Não monte pneus com tamanhos e construções diferentes em um mesmo veículo: utilizar diagonais e radiais em um mesmo carro o tornará instável.

Para igualar o uso dos cinco pneus do carro (incluindo o estepe), faça um rodízio pelo menos a cada 5.000 quilômetros. Ele compensará as diferenças do desgaste, permitindo aumento de quilometragem e proporcionando boa estabilidade.

Os pneus trazem indicadores de desgaste. Estão localizados em seu costado, entre os sulcos e em alto-relevo. Quando eles se tornam visíveis, chegou a hora de substituir o pneus. Os sulcos existentes nos pneus não podem ter profundidade inferior a 1,6 milímetros.

Se você passar por buracos e ouvir ruídos de objetos soltos batendo, atenção. Se esses ruídos forem acompanhados de uma trepidação no volante e desgaste irregular nos pneus, provavelmente há algum problema na Suspensão.

Outra hipótese é que algum componente da suspensão esteja desgastado.

Na hora da troca do óleo surgem dúvidas quanto às especificações do lubrificante, tempo, quilometragem, filtro, etc. O que fazer neste caso? A troca de óleo deve seguir rigorosamente o manual do fabricante do veículo, mas atenção com manuais mais antigos que indicam a troca de óleo a cada 20.000 km. Nos intervalos entre trocas não se esqueça de checar o nível de óleo. Complete-o com o óleo adequado, caso haja necessidade, para que as propriedades do lubrificante seja restabelecida. Desta forma o motor permanece limpo e perfeitamente lubrificado.

Em cada troca de óleo o filtro de óleo deve ser substituído, o filtro é o componente automotivo que tem por finalidade manter o óleo lubrificante dentro dos parâmetros necessários, protegendo assim componentes internos do motor através da lubrificação. Deve ser substituído integralmente a cada troca do lubrificante para preservar a vida útil do motor.