Conheça as mudanças da lei de trânsito para 2019

08 de Janeiro de 2019

As leis de trânsito passam por constante mudanças no Brasil  e nesse ano, a lei de trânsito tem novidades em diversos quesitos, algumas  já estão em vigor e outras  serão implementadas no decorrer do ano.
Nesse ano as novidades não atingirão somente os carros e motos, mas também ciclistas e pedestres, e ainda mudanças de tarifas em impostos ou medidas obrigatórias.
Conheça aqui  as mudanças da lei de trânsito para 2019:

Redução de tarifas

As primeiras novidades é relacionada a redução de valores. O IPVA em São Paulo ficou mais barato, enquanto o Seguro DPVAT teve uma queda significativa de 63,3% em média para todo o Brasil. Essas novas tarifas, que aliviam o bolso dos proprietários, já estão valendo.

Novas placas Mercosul

Outra novidade fica por conta da implantação das novas placas do Mercosul. Após uma série de adiamentos, o novo prazo para que todos os estados mais o Distrito Federal se adequem à mudança é 30 de junho de 2019. O primeiro a iniciar o processo foi o Rio de Janeiro, em setembro de 2018. Os novos emplacamentos só são obrigatórios para veículos que saem de fábrica e seminovos cujo proprietário realizar troca de município ou propriedade.

Documento de veículos digital

A exemplo do que aconteceu com as placas do Mercosul, a implantação do CRLVe, que é o documento digital para veículos, também passou de 2018 para 2019. Os Detrans de todo o país têm até 30 de junho de 2019 para disponibilizar o serviço, que é facultativo para o motorista.

Outras mudanças na lei de trânsito

A partir de 1º de março de 2019, pedestres e ciclistas poderão ser autuados por cometerem infrações, como transitar fora de suas áreas determinadas. Para os transeuntes, as multas aplicadas terão o valor de R$ 44,19. Já para os ciclistas, o valor a ser gasto será de R$ 130,16.

Para os motociclistas também há uma novidade importante. Desde 1º de janeiro de 2019, todas as motos novas no Brasil devem obrigatoriamente ter freios ABS ou CBS. Essa medida havia sido implantada em 2016, porém, até então, somente 60% das motocicletas precisavam sair da fábrica com essas especificações.

Fonte: Auto Esporte